Mensagem

Livres para adorar - A Maior Celebração da Sua Vida

Livres para Adorar - A Maior Celebração da Sua Vida

 

·         A maior celebração do povo de Israel: libertação da escravidão do Egito.

·         Deus instituiu uma celebração para marcar esta data.

·         Esta celebração marcava o início do ano para o povo de Israel.

·         Famílias celebrariam, com elementos do seu dia-a-dia.

 

Êxodo 12.14 Este dia será um memorial que vocês e todos os seus descendentes o comemorarão como festa ao Senhor. Comemorem-no como decreto perpétuo. Quando os seus filhos lhes perguntarem: ‘O que significa esta cerimônia?’, respondam-lhes: É o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou sobre as casas dos israelitas no Egito e poupou nossas casas quando matou os egípcios”.

 

·         Um dia memorável: lá fora: morte, destruição, choro e tragédia.

·         Quem celebrava a Páscoa: proteção imerecida, favor imerecido, libertação.

·         O processo de libertação da escravidão apontava para o adorador.

·         A maior transição cultural: de escravo (no Egito) para adorador (na Terra Prometida).

·         Houve a necessidade de uma geração intermediária: peregrinos (no deserto).

·         Nós vivemos a Nova Aliança, estabelecida em substituição a esta.

 

Romanos 3.21 Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei...justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que creem... pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.

 

·         O Senhor Deus, que poupou os de Israel, é o mesmo que nos poupa hoje das consequências eternas do pecado.

·         De escravos, nos tornamos adoradores.

·         Deus está à procura de adoradores e queremos que encontre na IEMAV.

·         A graça de Deus nos alcançou e podemos celebrar.

·         1 Coríntios 11: “Instruções sobre adoração”.

 

1 Coríntios 11.27-30 Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. 28 Examine-se cada um a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. 29 Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação. 30 por isso há entre vocês muitos fracos e doentes, e vários já dormiram. 31 mas, se nós tivéssemos o cuidado de examinar a nós mesmos, não receberíamos juízo. 32 Quando, porém, somos julgados pelo Senhor, estamos sendo disciplinados para que não sejamos condenados com o mundo.

 

1.       A carta para Coríntios

·         ‘Portanto’:

o    Os coríntios estavam fazendo da Ceia um festival de absurdos.

o    Uns comiam muito, sem esperar pelos outros.

o    Alguns até se embriagavam com o vinho.

o    Nem se pode chamar de ‘Ceia do Senhor’ (v.20).

o    Discernir o Corpo de Cristo: entender a Igreja a partir do que Cristo alcançou para ela.

o    Havia separação de classes sociais na Ceia! Isso NÃO é Igreja...

·         Instruções são simples:

o    Examine-se a si mesmo.

o    Somos todos iguais.

o    A ‘indignidade’ está em se considerar melhor (ou pior) que o outro.

o    “Você não entendeu a Obra de Cristo”.

o    Isto tem nome: é religiosidade.

 

2.       A Ceia da Redenção e a Ceia da Graça

·         Tradição judaica: libertação da escravidão.

o    +1.400 vezes o povo já havia celebrado.

·         Nova tradição: libertação da escravidão.

·         Aqueles que estão celebrando errado trazem consequências.

·         O inverso também é verdadeiro:

o    Se comer e beber indignamente traz enfermidade e até morte.

o    Celebrar corretamente traz cura e vida.

 

Perguntas para reflexão:

·         Qual a maior celebração da sua família? Que data é sempre lembrada?

·         Como a celebração da Ceia do Senhor tem impactado a sua vida? É uma ‘rotina’, é algo ainda misterioso, deixa uma sensação de alegria, peso, responsabilidade, celebração, morte, vida, etc.?

·         Você pode descrever a transição de escravo para adorador que houve na sua vida? O que mudou? O que não mudou? Ainda há áreas que estão ‘em obras’?

 

Mensagem por Pr. Fridbert August